Dor Lombar ou Lombalgia


Dor Lombar ou Lombalgia

IMPORTÂNCIA

Complexa e de âmbito multidisciplinar, a dor lombar ou lombalgia é um dos distúrbios mais comuns na atualidade. Além de se tornar um relevante problema de saúde pública, transformou-se num problema social, pois é uma das causas mais comuns de incapacidade temporária na faixa etária jovem, traduzindo - se em absenteísmo ao trabalho e incapacidade na população economicamente ativa.

Cerca de 60% a 80% das pessoas apresentarão pelo menos um episódio de dor lombar no decorrer da vida. Na maioria dos casos, trata-se de uma crise de lombalgia aguda auto - limitada, ou seja, a recuperação se dá naturalmente em torno de dez a trinta dias. Já a lombalgia crônica responde por 2% a 7% dos casos e mais da metade deles pode apresentar novo episódio durante o primeiro ano¹.

No Brasil, a procura por tratamento de dor lombar aguda e crônica cresce a cada dia, assim como o tempo e os recursos gastos em hospitais e clínicas. Segundo Teixeira² cerca de 10 milhões de brasileiros ficam incapacitados por causa desta morbidade e pelo menos 70% da população sofrerá um episódio de dor na vida.

Sabemos que a dor lombar crônica pode decorrer de degeneração da coluna ou dos discos intervertebrais, debilidades osteo - musculares, doenças reumáticas, inflamatórias, neoplásicas e defeitos congênitos. Entretanto, frequentemente não resulta somente de doenças específicas, mas sim de um conjunto de fatores: sócio - demográficos (idade, sexo, renda e escolaridade), comportamentais (fumo e carência de atividades físicas), exposições ocorridas nas atividades cotidianas (trabalho físico pesado, vibração, posição viciosa, movimentos repetitivos), além de distúrbios como obesidade e morbidades psicológicas.

Dada a complexidade da estrutura da coluna vertebral muitas vezes é difícil diagnosticar a causa exata da dor lombar. As potenciais fontes mais comuns incluem: músculos paravertebrais lombares submetidos a tensão, estiramento, alongamento; ligamentos como o supraespinhoso e o longitudinal posterior; disco intervertebral; placa terminal do corpo vertebral e facetas articulares.


BIBLIOGRAFIA CITADA

1.Laxmaiah Manchikanti, MD. Epidemiology of Low Back Pain. Pain Physician, Volume 3, Number 2, pp 167-192-2000.

2.Teixeira MJ. Tratamento multidisciplinar do doente com dor. In: Carvalho MMMJ, organizador. Dor: um estudo multidisciplinar. São Paulo: Summus Editorial; 1999. p. 77-85.

PARA SABER MAIS SOBRE O ASSUNTO OU ESCLARECER SUAS DÚVIDAS, MANDE UM E-MAIL: neurocranioecoluna@yahoo.com.br